Xuxa processa deputada após ser associada à pedofilia por lançar livro LGBTQIA+

Geral

Foto: Reprodução Internet

Foto: Reprodução Internet

A apresentadora Xuxa Meneghel está movendo um processo por danos morais contra a deputada estadual Rosane Felix (PSD), que, ao criticar o livro "Maya: Bebê Arco-íris", associou a artista à pedofilia e à exploração sexual infantil. Procurado pela Jovem Pan, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro confirmou a informação. "O processo foi ajuizado na 40ª Vara Cível. Está em fase de recolhimento de custas e juntada de documentos. Não há decisão", informou o órgão em nota. Segundo divulgado pelo Notícias da TV, Xuxa pede no processo uma indenização de R$ 150 mil e, agora, cabe ao juiz que assumir o caso definir quais serão as próximas etapas do processo e se será necessário apresentar mais provas. A Jovem Pan tentou contato com Rosane, mas não obteve um retorno. Ela também não se manifestou nas redes sociais.


Relembre o caso

Em novembro de 2020, Xuxa lançou o livro "Maya: Bebê Arco-íris", no qual conta a história de uma menina que nasce em uma família com duas mães. A história foi inspirada em duas amigas da apresentadora que decidiram ter uma filha. Na época, a temática do livro foi criticada por Rosane, que é presidente da Comissão de Assuntos da Criança, do Adolescente e do Idoso da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). "Para ensinar o amor e o respeito ao próximo não precisa escrever livro LGBT. Isso se aprende com boas maneiras dentro de casa e na escola. Já não basta a pedofilia, a exploração sexual infantil, e agora tem isso? Deixem as nossas as nossas crianças em paz", declarou a deputada que é apoiadora do governo de Jair Bolsonaro. "Elas precisam ser incentivadas a brincar, jogar bola, andar de bicicleta, brincar de pique, de boneca! Criança não tem que ser induzida a pensar em sexo ou sexualidade." Quando lançou o livro, Xuxa comentou que seu objetivo era mostrar para as crianças que o mais importante em uma família é o amor.