Portal Realidade

Como absorver a alta de 9% na mensalidade escolar sofrendo pouco

Famílias com crianças em idade escolar provavelmente já sentiram no bolso o reajuste das mensalidades do colégio, que subiram em média 9% neste ano. Os dados são de um levantamento realizado pelo Melhor Escola, site buscador de escolas no Brasil. Ao todo, 979 instituições de ensino de praticamente todos os Estados, com exceção de Roraima e Tocantins, responderam ao questionário. Algumas comunicaram que manterão o mesmo valor praticado em 2023 enquanto outras aplicarão reajustes que chegam a 35%.

O preço do material escolar também deve subir. A Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (ABFIAE) espera uma alta entre 7% e 9% para este ano letivo.

Para encaixar os aumentos no orçamento, as famílias deverão fazer uma análise das despesas, afirma Paula Sauer, coordenadora do Laboratório de Finanças Pessoais da ESPM. Para a economista, esse é o momento de rever gastos mensais fixos, especialmente aqueles que estão em débito automático e que acabam passando desapercebidos. É o caso de pacotes de internet e TV por assinatura, serviços de streaming e planos de academia, por exemplo.

O ideal é que as famílias coloquem todos esses gastos em uma planilha para ver de onde vêm as maiores despesas. Um reajuste acima da inflação na mensalidade escolar pode assustar, mas a economista acredita que com algumas mudanças é possível absorver esse aumento sem tanto sacrifício.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.