Portal Realidade

‘Fraude bilionária’: fraudes na educação no Maranhão podem ter gerado rombo de quase R$1,5 bi para os cofres da União

O Fantástico mostrou o esquema de algumas prefeituras do Maranhão que matriculavam alunos fantasmas no sistema EJA, alguns vivos e outros que já haviam morrido. Os fiscais do Tribunal de Contas do estado também descobriram falsificações sobre alunos matriculados no tempo integral.

Um levantamento feito pelo TCE descobriu que essas fraudes na educação do estado pode ter gerado um rombo de quase R$1,5 bilhão para os cofres da União.

“Infelizmente nós podemos estar diante de uma fraude bilionária. Deveriam ser investidos na educação no nosso estado. Nós estamos talvez diante de uma fraude de algo em torno de R$1 bi a R$2 bilhões. Provavelmente algo em torno de R$1,5 bilhão de reais de recursos que se bem aplicados poderiam melhorar de forma extremamente exitosa a educação no nosso estado”, destaca Marcelo Tavares, presidente do TCE-MA.

“O Tribunal de Contas do Maranhão através de várias fiscalizações que nós fizemos esse ano encontrou indícios de fraudes graves em números superfaturados de alunos tanto em ensino de tempo integral como no EJA. Já visitamos mais de 115 municípios este ano e o que nós temos encontrado é extremamente preocupante”, completa.

Contas das prefeituras devem passar por auditorias

As contas das prefeituras fiscalizadas pelo Tribunal de Contas do Maranhão vão passar agora por uma auditoria. Depois, as prefeituras podem ir a julgamento que pode levar à reprovação das contas, multa, devolução de dinheiro aos cofres públicos e inelegibilidade dos prefeitos.

“Nós estamos falando de pessoas que não terão como repor aqueles anos perdidos num estado que já é pobre você condena essa população a pobreza porque como falar em um emprego de melhor qualificação , de melhor remuneração se você não teve acesso a educação. Então é algo assustador, desumano o que é feito quando você desvia recursos da educação em qualquer lugar do Brasil e principalmente no nosso estado”, afirma o presidente do TCE-MA.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.