Portal Realidade

Não se engane: exames médicos demais podem fazer mal à saúde

Alguma vez você já saiu de uma consulta de rotina sem o pedido de, pelo menos, um hemograma? Apesar da realização de diversos exames nos dar uma sensação de cuidado com a saúde, a verdade é que estamos passando por mais procedimentos do que precisamos.

A empresária e influencer americana Kim Kardashian chamou a atenção ao fazer um post em seu Instagram sobre uma ressonância magnética que faz uso de uma nova tecnologia. Sem radiação, a máquina seria capaz de detectar câncer e aneurismas antes de qualquer sintoma. A atitude, no entanto, acende um alerta vermelho para os médicos.

“Quando fazemos exames indiscriminadamente passamos uma falsa ideia de proteção”, explica Roberto Gil, diretor do Inca (Instituto Nacional de Câncer). Segundo ele, a melhor forma de evitar doenças é, na verdade, mudar os hábitos de vida: fazer exercícios, se alimentar bem e não fumar.

Luiz Paulo Rosa, médico de família e comunidade e mestrando em saúde coletiva pela UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), dá nome a esse fenômeno de excessos: cascata iatrogênica.

“Quando pedimos um exame desnecessário ele pode vir alterado. Aí é necessária a realização de intervenções maiores para saber se o resultado de um exame simples estava certo ou não”, explica.

Indicação é fundamental

Chris Hemsworth, ator que interpreta o personagem Thor na série de filmes de super-heróis da Marvel, decidiu dar uma pausa na carreira após fazer um exame que mostrou que ele tem alto risco de desenvolver Alzheimer.

A descoberta aconteceu quando o australiano estava gravando a série “Limitless”, da Disney+, que fala sobre combater o envelhecimento.

Exames têm que complementar uma hipótese clínica. Exageros podem trazer consequências negativas e criar o medo de uma doença que não existe.José Alencar, cardiologista e especialista em medicina baseada em evidência

Esse é o cenário que Chris Hemsworth vive hoje: ele não tem a doença, só o conhecimento de que, quem sabe, um dia ele possa ter.

A endocrinologista Fernanda Victor, que já foi colunista de VivaBem, falou sobre o excesso de pedidos de ultrassons de tireoide: “Os aparelhos atuais de ultrassom, com alta resolução, conseguem detectar nódulos muito pequenos (de cerca de 2 mm). O problema é que esses achados são interpretados como doença potencialmente grave, mesmo sem qualquer repercussão negativa na saúde, e ainda podem gerar muito transtorno e custos ao paciente”.

Mesmo um simples ultrassom precisa ser solicitado após cuidadosa avaliação médica, não havendo necessidade de incluí-lo nos seus exames de check-up sem que haja uma indicação clara. Fernanda Victor, endocrinologista

Desigualdade no acesso

Luiz Paulo Rosa reforça que excesso de exames também está relacionado à classe social. Nem sempre, quem depende do SUS, consegue fazer o básico, mesmo com necessidade.

“Quem tem mais poder aquisitivo pode fazer exames sem indicação. Enquanto isso, há pessoas sem acesso a uma boa assistência médica que não conseguem realizar nem aqueles que, de fato, precisam”, diz Rosa.

Para Gil, do Inca, é importante também destacar que a sobrecarga no sistema de pedidos de exames faz com que a fila de espera só aumente porque a demanda é muito maior do que a capacidade de realização dos laboratórios.

“Quanto mais pessoas fazem procedimentos sem necessidade, mais quem precisa se prejudica. Isso funciona tanto no sistema público quanto no privado”, explica o diretor do Inca. O que impacta também a qualidade de análise.

“Quando a demanda é grande, não são todos os locais que mantêm um bom padrão para verificar os resultados. Foge do controle, mas os pacientes não sabem disso”, finaliza.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.