Portal Realidade

Vanderlei fecha Maratona de Atenas e revive aviãozinho em templo do esporte

Dezenove anos depois da icônica cena de Vanderlei Cordeiro de Lima completando sorridente uma maratona olímpica em uma injusta terceira colocação, o Estádio Panatenaico, templo de esporte em Atenas, reviveu a cena.

O brasileiro foi ovacionado ao completar a Maratona de Atenas, sua primeira em quase 15 anos, aos 54, desta vez acompanhado do técnico da carreira toda, Ricardo D’Angelo. Já demonstrava alguma fraqueza, porém, e minutos após a chegada na casa de 2h54min, pediu atendimento médico, reclamando de fadiga muscular.

“Na hora da chegada, correr os últimos 4km da prova foi muito difícil. É uma prova muito dura, dura e desafiadora. Foi uma honra terminar a prova, porque fácil não foi não. Esses últimos 2km principalmente eu tava olhando no relógio e pensando: ‘vou correr abaixo de 3h’, e essa era a missão. Importante para mim era chegar”, disse Vanderlei ao UOL Esporte, após mais de uma hora entre atendimento médico e fisioterapia.

Percorrendo o mesmo percurso da maratona olímpica de 2004, a prova usa o slogan de “a autêntica” porque refaz, mais de 2,5 mil anos depois, o trajeto percorrido por Pheidíppides, da cidade de Maratona a Atenas, trazendo a notícia da vitória dos atenienses na guerra contra o espartanos.

Vanderlei não se dedicava a uma prova como fez para a Maratona de Atenas desde sua aposentadoria, na Maratona de Paris de 2009. Ele até entrou em uma corrida ou outra neste meio período, de forma promocional, nunca com o treinamento adequado. Desta vez, fez até preparação na altitude da Colômbia, em Paipa, acompanhado por D’Angelo.

O objetivo era correr a maratona em torno de 3h20min, com um tempo progressivo, correndo mais rápido na metade final do que na inicial. Mas Vanderlei sentiu-se bem no começo e imprimiu um ritmo mais forte. “Passei a primeira hora com 1h25min e a segunda metade acrescentei mais cinco minutos e cheguei bem. Quer dizer, bem na condição de falar porque finalizar, porque eu cheguei mal para caramba fisicamente, né?”, comentou.

A participação na Maratona de Atenas é uma ação da Olympikus, que agora o tem como garoto-propaganda, e organizou para que nos últimos 195 metros, dos 42,195m da maratona, ele fosse acompanhado, de forma surpresa para ele, pelo técnico. Assim, Vanderlei e D’Angelo estavam juntos no aviãozinho final perante bom público no Panatenaico.

O estádio, em formato de U, foi utilizado na versão original das Olimpíadas gregas, reconstruído em mármore em 140 antes de Cristo, e reformado no fim dos anos 1800 para os Jogos Olímpicos de 1896. Nas últimas décadas, tem sido palco de momentos importantes do esporte local, como a chegada da maratona olímpica e da Maratona de Atenas.

A prova deste domingo, porém, teve largada 9h e chegada, para a maior parte dos corredores, no sol mais forte do dia, com o céu limpíssimo, e forte sensação de calor — ainda que os termômetros marcassem 22ºC. “Eu não senti o calor, mas uma fadiga muscular. Hoje a realidade é outra. Tudo que aconteceu comigo, covid, depois dengue, acho que foi mais uma prova de superação. Importante estar aqui. Essa chegada sendo aplaudida valeu todo o esforço, compensou toda a dor que senti durante a prova”.

A Maratona de Atenas foi vencida por Edwin Kiptoo, do Quênia, com o tempo alto de 2h10min34. A organização ainda não divulgou a classificação final, mas, na Maratona Internacional de São Paulo deste ano, por exemplo, só um atleta da idade de Vanderlei ou mais velho fez tempo melhor do que 2h54min.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.